maio 23, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A decisão da Rússia de cortar as exportações de gás natural foi um erro?

A decisão da Rússia de cortar as exportações de gás natural foi um erro?

A Rússia anunciou na semana passada que cortaria os embarques de gás natural para a Polônia e a Bulgária depois que os países se recusaram a atender seu pedido de fazer pagamentos de exportação em rublos, a moeda nacional da Rússia. É a última manobra fora do campo de batalha para responder aos esforços ocidentais para enfraquecer o país, mesmo com suas forças armadas. continue desacelerando Por forças ucranianas na região leste sitiada de Donbass.

A Rússia conseguiu manter relações diplomáticas na região da Ásia-Pacífico com a China e a Índia, seus maiores aliados, apesar das sanções ocidentais. Mas sua decisão de cortar as exportações de energia fortaleceu a aliança da Europa com os Estados Unidos, especialmente porque a Europa continua deliberando sobre a imposição de sanções adicionais à Rússia.

Kremlin defender Este passo é uma medida necessária para proteger as reservas financeiras da Rússia após severas sanções.

“Eles fecharam nossas contas ou – para colocar em russo – roubaram uma parte significativa de nossas reservas”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à mídia durante uma entrevista coletiva.

A Europa importa um terço de suas necessidades de petróleo e gás da Rússia, mas isso não a impediu de usar sanções como ferramenta para impedir a agressão do país contra a Ucrânia. A União Europeia já impôs cinco rodadas de sanções econômicas contra a Rússia e deve impor mais sanções nas próximas semanas.

A decisão da Rússia de cortar as exportações de gás para a Polônia e a Bulgária – a última das quais permaneceu hesitante em relação à Rússia até a última proibição – é uma medida arriscada destinada a servir de alerta para outros países europeus. Mas alguns especialistas descartaram a medida como um erro de cálculo.

READ  Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

De acordo com Yoshiko Herrera, professor de ciência política da Universidade de Wisconsin-Madison, especializado em política eurasiana, pode ter o efeito oposto pretendido.

“Um dos principais argumentos das pessoas a favor de sanções energéticas adicionais é dizer: ‘A Rússia não é um parceiro confiável e eles estão usando a energia como uma ferramenta política'”, disse Herrera. “Então, ao cortar o gás para a Polônia e a Bulgária, eles estão argumentando que não são um parceiro confiável.”

Embora nenhuma proposta formal tenha sido feita, a Bloomberg Relatórios A União Européia provavelmente imporá um embargo ao petróleo russo até o final do ano e limitará gradualmente suas importações até então.

Sanções energéticas europeias completas vão realmente doer [Russia’s] Isso prejudica sua capacidade de fazer a guerra porque seu dinheiro vai acabar. “Acho que isso é algo com que a Rússia deve se preocupar”, disse Herrera. “Seu mau comportamento continuado na Ucrânia, as atrocidades são o que eu acho que estão levando a Europa a mudar fundamentalmente suas atitudes em relação às coisas e à energia.”

Rússia mantém aliados desde a invasão da Ucrânia

As telas mostram a aprovação de uma resolução da ONU que remove a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU após a votação da Assembleia Geral em 7 de abril de 2022.
Timothy A. Clary/AFP via Getty Images

Apesar da condenação generalizada da Rússia e dos esforços para isolar a Rússia, o país conseguiu manter aliados. Em abril, a Assembleia Geral das Nações Unidas votou pela suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos por sua invasão da Ucrânia. Então a decisão deu certo Foi recebido Uma maioria de dois terços dos Estados membros, com 93 países votando a favor da suspensão da Rússia do conselho. Mas 24 membros da comissão votaram contra a medida, enquanto 58 membros se abstiveram.

Os resultados da votação da ONU indicam as complexidades da diplomacia do mundo real, mesmo diante da guerra. Países da África, América do Sul e Ásia têm procurado cada vez mais resistir a tomar partido enquanto a Guerra Russo-Ucraniana ameaça moldar o mundo em facções políticas. Mas a influência decrescente do Ocidente em outras partes do mundo, juntamente com interesses econômicos e políticos em risco, deu origem a muitas nações Escolhendo manter sua independência Quando se trata de relações com a Rússia.

Na Ásia, onde é compartilhada uma maior vigilância sobre a crescente influência da China além-fronteiras, os países do sudeste e do sul do continente expresso Suas intenções são manter boas relações com a Rússia, apesar da situação com a Ucrânia. Entre os aliados mais leais da Rússia está a Índia, com a qual mantém uma forte aliança desde que a União Soviética apoiou a Índia durante a guerra de 1971 com o Paquistão.

Outro fator por trás da continuação de sua amizade é a amizade da Índia Credenciamento Sobre a Rússia como fornecedora militar de armas – dos anos cinquenta até agora, o país recebeu Estima-se que 65 por cento das exportações de armas de fogo da União Soviética ou da Rússia, de acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo. As disputas de fronteira entre a Índia e a China no Himalaia, que levaram ao surgimento de uma confronto sangrento Em 2020, é outro fator motivador para a Índia, já que a Rússia tem atuado como um importante mediador no conflito com a China.

As relações estreitas entre a Índia e a Rússia representam desafios para as potências ocidentais, pois a Índia é vista como um Parceiro vital restringindo a influência russa na região.

A China, outro grande aliado da Rússia, absteve-se de condenar explicitamente a Rússia e, em vez disso, pediu às nações em conflito que encontrem uma solução pacífica. Em reunião virtual em março com França e Alemanha, o presidente Xi Jinping ligar para “restrição máxima” sobre o assunto e expressou preocupação com o impacto mais amplo das sanções sobre a Rússia. Mas alguns, como Herrera, questionam até que ponto a China continuará seguindo a linha se a situação piorar.

“A China não disse que não cumprirá as sanções e, até agora, está concordando com as sanções contra a Rússia”, disse Herrera. Um ponto de inflexão em potencial, disse ela, poderia ser as próximas sanções da Europa, particularmente quaisquer sanções secundárias impostas, o que seria “uma enorme encruzilhada para a China decidir se participar dessas sanções”.

Mas suas relações com a Rússia podem acabar servindo economicamente à China. Presidente Vladimir Putin anunciante A Rússia “redirecionará” suas exportações de energia para “mercados de rápido crescimento” em outros lugares para ajudar a resistir às sanções, talvez tentando manter o apoio de seu principal aliado.

Forças russas continuam enfrentando obstáculos militares na Ucrânia

Após dois meses de conflito, as tensões na frente de guerra entre a Rússia e a Ucrânia não mostraram sinais de abrandamento. As forças armadas russas mudaram o foco nas últimas semanas para controle do leste da Ucrâniaconhecida como a região de Donbass, onde os combates estão em andamento entre as forças ucranianas e separatistas apoiados pela Rússia desde 2014.

Como a Rússia continuou seu avanço em direção a Kiev, lançar um ataque aéreo Na capital, na semana passada, durante uma visita diplomática do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. O ataque foi amplamente condenado como um ato desnecessário de agressão pelas forças russas.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que se encontrou com Guterres durante sua visita à capital, acusou a Rússia de tentar deliberadamente humilhar as Nações Unidas.

Diz muito sobre a atitude real da Rússia em relação às instituições globais, sobre os esforços da liderança russa para humilhar as Nações Unidas e tudo o que a organização representa. Requer uma resposta forte”, Zelensky anunciante Em um discurso público após o ataque aéreo.

O ex-vice-secretário-geral da ONU, Mark Malloch Brown, disse que a comunidade internacional “perceberá que Putin não pode tratar seu secretário-geral da ONU dessa maneira desrespeitosa, casual, franca e perigosa por Putin”.

O conflito também não mostra sinais de diminuir, na semana passada o presidente dos EUA, Joe Biden Requeridos O Congresso enviará outros US$ 33 bilhões em ajuda militar para apoiar as defesas militares da Ucrânia. A proposta de Biden, que inclui estratégias para usar dinheiro confiscado da oligarquia russa para financiar operações militares na Ucrânia, é mais que o dobro dos US$ 13,6 bilhões em ajuda militar e humanitária que o Congresso já aprovou no mês passado.

Herrera acredita que o reforço adicional pode ser muito benéfico para a Ucrânia, tanto estrategicamente quanto fisicamente, mesmo em um período de guerra. Além das sanções energéticas impostas pela Europa, ela disse que a Rússia pode olhar para barreiras significativas para alcançar seus objetivos porque “isso faria uma enorme diferença na capacidade da Rússia de ir à guerra”.