junho 29, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Dinamarca vota para aderir à Política de Defesa Comum da União Europeia em meio a temores de guerra da Rússia à Ucrânia

Dinamarca vota para aderir à Política de Defesa Comum da União Europeia em meio a temores de guerra da Rússia à Ucrânia

A Dinamarca é o único membro do bloco 27 ​​que não faz parte da Política Comum de Segurança e Defesa. O país escandinavo de cerca de 6 milhões de pessoas obteve isenções dessa política em um referendo de 1993 sobre o Tratado de Maastricht, que lançou as bases para a moderna União Européia.

Se os dinamarqueses, que são conhecidos por suas críticas à União Europeia, votarem pelo cancelamento da retirada, como sugerem as pesquisas, seria outra importante mudança simbólica na política de defesa dos países europeus depois que a Rússia lançou a invasão em fevereiro. Após décadas de perseverança, Finlândia e Suécia finalmente se candidataram à adesão à OTAN Em maio, todos citaram a guerra na Ucrânia como fator motivador.

Poucas semanas após a invasão russa da Ucrânia, o parlamento dinamarquês fechou um acordo histórico para aumentar os gastos com defesa em 7 bilhões de coroas suecas (US$ 1 bilhão) nos próximos dois anos. O mesmo acordo exigia a eliminação progressiva do gás russo, bem como o atual referendo sobre a adesão à Política de Defesa Comum da União Européia.

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, disse que a invasão da Ucrânia pela Rússia foi um fator importante que levou o governo a convocar um referendo, e que a votação foi uma importante decisão baseada em valores e uma forma de sinalizar um apoio mais forte da UE. O governo passou várias semanas fazendo campanha pelo “sim”.

“Esta é a decisão certa para o nosso futuro. Estamos enfrentando uma era de maior incerteza do que vemos agora, e temos que ficar juntos”, disse Frederiksen.

A Dinamarca é um membro fundador da OTAN, mas a participação na Política Comum de Segurança e Defesa da UE permitirá à Dinamarca participar em operações militares conjuntas da UE, como as da Somália, Mali e Bósnia.

READ  Atualizações ao vivo: a guerra da Rússia na Ucrânia

“É claro que a OTAN continuará sendo nossa ferramenta mais importante, mas a UE nos dá outra ferramenta para garantir nossa defesa no leste”, disse Mogens Jensen, porta-voz de defesa dos social-democratas no poder.

Embora a UE se beneficie da extensa experiência da Dinamarca em operações militares como parte da OTAN e outras alianças, um voto sim é muitas vezes visto como uma vitória simbólica em Bruxelas, de acordo com Kristian Sobe Christensen, pesquisador sênior do Centro para o Exército da Universidade de Copenhague. . estudos.

“A importância política superará a contribuição militar”, disse Christensen à Reuters.

Uma grande maioria no Parlamento recomenda o cancelamento da retirada. A votação de quarta-feira será a terceira dos legisladores dinamarqueses a derrubar uma das decisões de retirada de 1993 após a votação do euro em 2000 e Justiça e Assuntos Internos em 2015, ambas fracassadas. Esta é a nona votação sobre questões da UE desde que a Dinamarca votou pela adesão à Comunidade Europeia em 1972.

Apesar dos graves problemas em questão, o referendo gerou pouca controvérsia entre o público em geral, levantando preocupações sobre uma baixa participação eleitoral.

Pesquisas de opinião iniciais divulgadas na terça-feira mostraram que aqueles a favor da retirada estavam na liderança. A pesquisa de opinião realizada pela emissora nacional TV2 estimou 65% a favor, 35% contra; Outra pesquisa da rádio nacional DR e Altinget estimou 49% a favor, contra 31% contra. Cerca de 1 em cada 5 dinamarqueses hesitou antes da votação, e muitos expressaram dificuldades em avaliar as consequências.

Entre as principais preocupações expressas pelos opositores políticos e pelo público estava o envio de soldados dinamarqueses, embora quaisquer decisões importantes, incluindo o envolvimento militar, ainda precisassem ser aprovadas pelo Parlamento dinamarquês.

READ  Macron e Le Pen entram em conflito sobre Rússia e UE em furioso debate na TV

A União Europeia não tem planos de criar um exército supranacional dentro do bloco, mas decidiu formar uma força de implantação rápida composta por até 5.000 soldados.

As assembleias de voto fecham às 20h00, hora local. O resultado é esperado no final da tarde.