junho 27, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

‘Guerra, mentiras e ódio’: embaixador russo em Genebra renuncia após invasão da Ucrânia | Rússia

Um diplomata russo sênior em Genebra renunciou após uma invasão de seu país Ucrânia Uma rara oposição política de dentro do establishment da política externa russa.

Boris Bondarev, conselheiro da embaixada permanente da Rússia nas Nações Unidas em Genebra, escreveu em uma declaração pública: “Nunca tive vergonha do meu país”.

“Hoje, o Ministério das Relações Exteriores não é sobre diplomacia”, escreveu um diplomata sênior de 20 anos do Ministério das Relações Exteriores da Rússia. “Trata-se de guerra, mentiras e ódio. Serve aos interesses de alguns que contribuem para o isolamento e degradação do meu país.

Boris Bondarev disse que renunciar era muito simples. Foto: Manual/AP

Bondarev era um diplomata de alto escalão que não renunciou publicamente ao Ministério das Relações Exteriores da Rússia durante a guerra que começou em fevereiro. Em uma entrevista por telefone com o Guardian, Bondarev confirmou sua redação da declaração e apresentou sua carta de demissão na segunda-feira.

“O resultado é muito simples”, disse Bondarev. “Quando você vê seu país fazendo o pior e sendo um funcionário público, é sua decisão cortar seus laços com o governo. Todos nós temos que assumir a responsabilidade. E não quero assumir nenhuma responsabilidade pelo que não aceito.

Bondarev publicou o relatório em suas contas do Facebook e LinkedIn e enviou cópias para embaixadores e meios de comunicação. Ele disse que foi trabalhar na segunda-feira, apresentou sua carta de demissão e saiu.

“A decisão foi tomada em 24 de fevereiro. Mas demorou um pouco para reunir algumas resoluções para fazer isso”, disse ele.

Hillel Neuer, diretor executivo da UN Watch, uma organização de direitos humanos com sede em Genebra, chamou Bondarev de “herói”.

“Agora pedimos a todos os diplomatas russos nas Nações Unidas – e em todo o mundo – que sigam seu exemplo moral e renuncie”, disse ele.

Neuer pediu permissão a Bondarev para falar no fórum de Davos esta semana, em um resort de montanha da elite política e empresarial do mundo. Suíça.

O meio de comunicação russo Comandante confirmou a declaração de Ponderre, que também conhecia os nomes de vários embaixadores que se demitiram do Ministério das Relações Exteriores da Rússia desde o início da ‘operação militar especial’ na Ucrânia, mas nenhum deles. Eles emitiram declarações públicas sobre isso.

Bondarev, consultor de controle de armas da embaixada russa em Genebra, disse que outros embaixadores russos têm sentimentos semelhantes sobre a guerra, mas é improvável que se manifestem.

“Há pessoas que pensam como eu e veem a situação como ela é”, disse ele. “Mas não sei se alguns deles seguirão meu exemplo. Acho que não vai ter muito.

Ele disse que não houve resposta do Ministério das Relações Exteriores desde que apresentou sua carta de renúncia na segunda-feira.

“Não sei o que [Russian] Haverá uma reação”, disse. “Eu não sei o que vou fazer. Sem planos.”

Questionado se pediu asilo fora da Rússia, ele disse: “Acho que ficaria muito grato se alguém se apresentasse para ajudar nesta situação difícil”.

Sobre seu retorno à Rússia, ele disse que “não seria uma boa ideia agora”.

Em sua declaração pública, Pontariev mirou altos funcionários como Vladimir Putin e Sergei Lavrov, chamando o ministro das Relações Exteriores russo de “bom exemplo da deterioração do sistema”.

“A guerra de agressão de Putin contra a Ucrânia é, de fato, um crime não apenas contra todo o mundo ocidental e contra o povo ucraniano, mas talvez até mesmo o crime mais hediondo contra o povo da Rússia, com uma letra Z em negrito. Todas as esperanças e oportunidades para uma próspera sociedade livre em nosso país”, disse.

“Aqueles que conceberam esta guerra querem apenas uma coisa – estar no poder para sempre, viver em palácios luxuosos e insípidos.” Viaje em toneladas de barcos comparáveis E o custo para toda a marinha russa, desfrutando de poder ilimitado e punição absoluta”, disse ele. Quantas vidas são sacrificadas. Milhares de russos e ucranianos já morreram por isso.

Bondarev é embaixador de carreira no Ministério das Relações Exteriores desde 2002. Ele atuou como consultor do Tratado de Não-Proliferação Nuclear por quase uma década, primeiro em Moscou e depois na ONU e em outras organizações internacionais em Genebra para a missão permanente da Rússia.

Na época, ele continuou sendo um diplomata, mesmo quando as relações com o Ocidente se deterioraram porque sentiu que “há espaço para a diplomacia e algum lugar para a normalidade”.

“Mas agora, depois de 24 de fevereiro, pulamos em um abismo, nenhum lugar para voltar ao normal, nenhum lugar para voltar”, continuou ele. “Hoje podemos ver com certeza que não pode haver negociações, esta é uma guerra completa.”

READ  Erdogan diz que a Turquia vai expulsar 10 diplomatas ocidentais