outubro 3, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Nova constituição do Chile: eleitores rejeitam por maioria esmagadora a proposta em referendo

Nova constituição do Chile: eleitores rejeitam por maioria esmagadora a proposta em referendo

Com quase todos os votos apurados, 62% dos eleitores rejeitaram a proposta com 38% votando a favor, segundo o Serviço Eleitoral do Chile.

A constituição proposta, que teve o apoio do presidente esquerdista Gabriel Borek, continha 388 artigos que expandiriam significativamente os direitos sociais, aumentariam a regulamentação ambiental e dariam ao governo maior responsabilidade pelos programas de bem-estar social. Também teria proporcionado total paridade de gênero e acrescentado assentos reservados para representantes indígenas.

O documento foi rejeitado em todas as províncias chilenas, incluindo a capital mais progressista Santiago e a região metropolitana, onde os eleitores apoiaram Borek em dezembro passado durante a eleição presidencial.

Borich respondeu à derrota em um discurso televisionado ao vivo para a nação depois que as pesquisas fecharam no domingo.

“Hoje o povo do Chile falou, e eles fizeram isso alto e claro”, disse Borek. “Eles nos enviaram duas mensagens: a primeira é que amam e valorizam sua democracia… A segunda é que o povo do Chile não estava satisfeito com a proposta de constituição e, portanto, decidiu rejeitar de forma clara. Nas urnas. ”

Imagens de Santiago no domingo mostram um clima sombrio entre os defensores da Constituição, enquanto outros celebram a notícia de que a Constituição foi votada contra.

A constituição atualmente em vigor foi escrita sob a ditadura de Augusto Pinochet, que governou o Chile com mão de ferro de 1973 a 1990. Os defensores da nova constituição queriam uma ruptura com o passado autoritário do Chile e um documento que refletisse os interesses das sociedades que, segundo para eles, tinha sido ignorado.

Alguns agitaram bandeiras enquanto comemoravam a rejeição da proposta de constituição.

Por que mudar a constituição?

A mudança proposta começou em 2020, quando o então presidente Sebastian Piñera convocou um referendo sobre uma nova constituição em meio a agitação social e descontentamento popular causados ​​pelo aumento da tarifa do metrô em outubro de 2019.

Em outubro de 2020, mais de 78% dos eleitores chilenos aprovaram o referendo Proposta de mudança constitucionale, em junho de 2021, votaram novamente para selecionar os membros da Assembleia Constituinte.

A Assembleia Constituinte foi a primeira do mundo a ter plena igualdade de gênero e a primeira na história do país a ter cadeiras reservadas para representantes indígenas.

READ  Mariupol: chefe do exército ucraniano diz que as pessoas arriscam suas vidas toda vez que saem do abrigo

Os defensores esperavam que sua postura progressista se refletisse em uma constituição nova e atualizada.

O próprio processo constitucional foi elogiado internacionalmente por dar uma saída institucional para uma crise social, respondendo às demandas dos chilenos contemporâneos por maior igualdade e uma democracia mais inclusiva e participativa.

Segundo o professor da Universidade do Chile Robert Funk, a remoção dos resquícios do passado imposto por Pinochet foi um grande impulso para uma nova constituição.

“A atual constituição do Chile foi escrita originalmente em 1980 sob a ditadura militar de Augusto Pinochet. Desde então, foi alterada muitas vezes, mas sempre foi questionada porque foi imposta durante uma ditadura”, disse Funk.

O caminho da rejeição

Depois de muita deliberação, o rascunho final da revisão A constituição foi submetida a Boreksucessora de Piñera, em julho deste ano.

Mas, embora a maioria dos eleitores chilenos tenha apoiado a ideia de uma mudança constitucional em outubro de 2020, surgiram divisões sobre o projeto proposto.

Logo após o anúncio do projeto, várias pesquisas de opinião começaram a mostrar uma tendência crescente de rejeição da carta, com o governo reconhecendo publicamente esse cenário.

A Constituição derrotada teria sido uma das mais avançadas do mundo, dando ao Estado um papel de linha de frente na garantia dos direitos sociais.

O Chile vota em uma das constituições mais progressistas do mundo.  Mas o consenso entra em colapso

O projeto colocava uma forte ênfase no direito dos povos indígenas à autodeterminação e proteção ambiental, e teria desmantelado o sistema altamente privatizado de direitos à água. Exigiu a igualdade de gênero em todas as instituições e corporações públicas e consagrou o respeito à diversidade sexual. Ele também imaginou um novo sistema nacional de saúde.

Mas o projeto Tornou-se amargamente divisivo.

A direita argumentou que o projeto levaria o país à extrema esquerda, ou que era muito ambicioso e difícil de se transformar em leis efetivas. No período que antecedeu a votação, até mesmo alguns de seus partidários de esquerda queriam emendas, com o slogan “Concorde com a reforma”.

READ  Rússia enfrenta 'esquecimento econômico' apesar da resiliência de curto prazo

A oposição prometeu iniciar um novo processo de reescrever a Constituição e prometeu aos eleitores que a próxima fase refletiria melhor seus interesses.

Em seu discurso no domingo, Borek indicou que este não é o fim dos esforços para a reforma.

“Esta decisão dos chilenos e das chilenas exige que nossas instituições e atores políticos trabalhem mais, com mais diálogo, com mais respeito e cuidado, até chegarmos a uma proposta que nos interprete a todos, que seja confiável e nos una como nação, disse Borek.

Michelle Velez e Daniela Mohor contribuíram para este relatório. e George Engels da CNN.