novembro 28, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Olaf Scholz diz que o Ocidente deve manter a Rússia adivinhando sobre sanções

Olaf Scholz diz que o Ocidente deve manter a Rússia adivinhando sobre sanções

O chanceler alemão Olaf Schulz rejeitou neste sábado os pedidos do presidente da Ucrânia por sanções contra a Rússia agora, dizendo que Moscou não deveria ter “exatamente” certeza de como o Ocidente responderia a uma possível invasão.

Falando a Hadley Gamble, da CNBC, na Conferência de Segurança anual da Alemanha, em Munique, Schulz disse que os aliados ocidentais estão “bem preparados” para punir a Rússia – e rapidamente – se ela quiser invadir a Ucrânia. Mas ele disse que tais medidas devem permanecer como último recurso na esperança de encontrar uma solução pacífica para as tensões em curso.

“É melhor dizer que faremos isso então, em vez de fazê-lo agora, porque queremos evitar a situação”, disse ele, referindo-se a possíveis sanções contra a Rússia. Queremos ir na direção onde a paz tem uma chance.

A Rússia negou repetidamente que planeja invadir a Ucrânia, mas nesta semana várias autoridades ocidentais disseram que o país está aumentando ativamente sua presença militar em suas fronteiras.

Shultz não detalhou as sanções que a Rússia pode enfrentar se invadir a Ucrânia. Em vez disso, disse ele, Moscou deveria saber as repercussões que enfrentaria “aproximadamente” em vez de “exatamente”.

O governo russo não pode ter certeza do que vamos fazer exatamente.

Olaf Schulze

chanceler alemão

Isso contrasta com outros líderes ocidentais que fizeram observações específicas sobre Como a Rússia pode ser prejudicada economicamenteparticularmente através de penalidades energéticas.

“Minha opinião é que não faz sentido torná-lo público”, disse ele. “É bom para o que esperamos que o governo russo não tenha certeza do que vamos fazer.”

“Eles saberão mais ou menos do que estamos falando, mas não saberão exatamente isso.”

READ  'Histórico': Planos climáticos globais agora podem manter a temperatura abaixo de 2°C, diz estudo | crise climatica

Seus comentários vêm depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky repetiu no sábado seus pedidos de sanções agora, dizendo que o Ocidente deveria interromper sua política de “apaziguamento” em relação à Rússia.

“Temos o direito – o direito de exigir uma mudança de uma política de apaziguamento para uma política que garanta segurança e paz”, disse Zelensky na Conferência de Segurança de Munique.

“Não existe ‘Esta não é a minha guerra’ no século 21. Não é sobre a guerra na Ucrânia, é sobre a guerra na Europa.”

Rússia lança mísseis balísticos e de cruzeiro

Em uma demonstração de seu poderio militar, a Rússia no sábado Lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro Como parte de um “exercício planejado de forças estratégicas de dissuasão”.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na sexta-feira que os Estados Unidos acreditam que o presidente russo, Vladimir Putin, pode realizar um ataque à Ucrânia. “Nos próximos dias”.

“Temos motivos para acreditar que as forças russas estão planejando e pretendem atacar a Ucrânia na próxima semana, nos próximos dias”, disse Biden na sexta-feira em declarações à Casa Branca, observando que qualquer ataque desse tipo provavelmente teria como alvo a capital ucraniana, Kiev.

O pessoal de serviço das Forças de Ataque Aéreo da Ucrânia participa de um exercício tático em um campo de treinamento em um local desconhecido na Ucrânia, nesta foto publicada em 18 de fevereiro de 2022.

O serviço de imprensa das Forças de Ataque Aéreo da Ucrânia | via Reuters

Isso ocorre depois que as agências de inteligência dos EUA disseram que Moscou adicionou cerca de sete mil soldados à fronteira ucraniana nesta semana, elevando sua presença militar total estimada para cerca de 150 mil. As forças russas também foram enviadas para a Bielorrússia, um aliado no norte da Ucrânia.

No início desta semana, o governo russo afirmou que havia começado a devolver algumas de suas forças às suas bases. No entanto, o presidente ucraniano e autoridades ocidentais pediram cautela ao considerar as alegações de Moscou como verdadeiras.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais alertaram que a Rússia pode criar um evento de “bandeira falsa” – no qual lançará um ataque real ou simulado contra suas forças – para criar um pretexto para uma invasão da Ucrânia.

Natasha Turak, da CNBC, contribuiu para este relatório.