dezembro 2, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Os Estados Unidos estão considerando fornecer instalações de defesa aérea aos aliados da Otan em meio a crescentes preocupações com as ameaças da Rússia.

À medida que a invasão russa continua, muitas empresas anunciam que deixarão de fazer negócios com a Rússia.

Na segunda-feira, o grupo de moda italiano Prada e a montadora japonesa Nissan se tornaram as últimas empresas a sair.

A Prada suspendeu as operações na Rússia, citando a invasão russa da Ucrânia. O Grupo Prada também é dono da Miu Miu, uma feira de carros, igrejas e marchas.

A porta-voz da Prada, Marta Monaco, disse à CNN: “O Grupo Prada suspendeu suas operações de varejo na Rússia. Nossa principal preocupação é com todos os colegas e suas famílias afetados pela tragédia na Ucrânia, e continuaremos a apoiá-los”. O relatório segue a promessa da Prada e outras casas de moda italianas de prestar assistência à Ucrânia. Apoiado por empresas como Armani, Potoka Venetta e Dolce & Gabbana.

Em resposta à doação, a representante do ACNUR na Itália, Sierra Cardoleti, disse: “Estimamos que 12 milhões de pessoas na Ucrânia precisarão de assistência e proteção, enquanto mais de 4 milhões de refugiados ucranianos precisarão de proteção e cuidados nos países vizinhos”. Citando a necessidade de assistência imediata, Caedoletti disse em um comunicado à imprensa: “Como são necessários grandes recursos, esperamos que a indústria da moda e outras empresas do setor façam sua contribuição nas próximas horas”.

A Nissan anunciou hoje que vai suspender a exportação de veículos para a Rússia. Em um comunicado de imprensa divulgado pela empresa, a fabricante japonesa acrescentou que “espera que a produção em nossa fábrica em São Petersburgo cesse em breve”.

O relatório destacou o compromisso e o apoio da Nissan para ajudar a crise humanitária na Ucrânia, levantando 2,5 milhões de euros (aproximadamente US$ 2,7 milhões). “Uma doação de 1 1 milhão será feita à Cruz Vermelha e outras organizações sem fins lucrativos em apoio aos atuais esforços de emergência para fornecer ajuda vital e itens essenciais para famílias e crianças. Sempre que possível, a empresa está pronta para doar veículos .”

READ  Ucrânia levanta greves em Kherson: Guerra Rússia-Ucrânia Live News

O CEO da empresa, Makoto Uchida, disse: “Estamos todos comovidos com o sofrimento de muitas pessoas e famílias, incluindo nossos próprios membros da família Nissan. Criamos o Nissan Cares Fund em apoio à nossa equipe e aos esforços internacionais para trabalhar 24 horas por dia para responder a essa imensurável tragédia humana.

Outras empresas de automóveis que pararam de negociar com a Rússia incluem: General Motors, Toyota e Volkswagen.

No domingo, a American Express se tornou a mais recente empresa de cartão de crédito a anunciar o fim de suas operações na Rússia à medida que a invasão da Ucrânia se intensifica.

A empresa disse em comunicado que os cartões American Express emitidos globalmente não funcionarão mais na Rússia e que os cartões emitidos na Rússia não funcionarão mais fora do país.

A American Express também disse que fecharia suas operações comerciais na Bielorrússia.

Isso se soma às medidas anteriores que tomamos, incluindo a suspensão de nossas relações com bancos na Rússia, que foram atingidos por sanções governamentais dos EUA e internacionais, disse a American Express em comunicado no domingo.

Um dia antes, a MasterCard havia anunciado que suspenderia seus serviços de rede na Rússia e que a Visa suspenderia todas as operações lá.

As empresas de mídia social também restringem o acesso na Rússia. Em um movimento recente, a Dictok disse no domingo que estava suspendendo certos aspectos da Rússia à luz da nova lei do país que pune a desinformação.

“À luz da nova lei de ‘fake news’ da Rússia, quando revisarmos as implicações de segurança dessa lei, não temos escolha a não ser interromper a transmissão ao vivo e novos conteúdos em nosso serviço de vídeo”, twittou a empresa. “O serviço de mensagens em nosso processador não será afetado.”

A empresa acrescentou em uma postagem no blog: “Continuamos avaliando a situação na Rússia e determinando quando podemos lançar totalmente nossos serviços com segurança como nossa principal prioridade”.

READ  Gazprom retoma gás para a Alemanha através do gasoduto Nord Stream 1

O Facebook, empresa controladora da Meta, disse que bloqueará o acesso às agências de notícias russas RT e Sputnik em toda a União Europeia.

“A medida ocorre após pedidos de vários governos e da União Europeia para tomar mais medidas contra a mídia estatal russa”, escreveu Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais da empresa, em um tweet.

Meta também disse que o governo russo usou controles de algoritmo na mídia para impedir que ela fosse exibida com destaque nos feeds dos usuários.

O Twitter também anunciou planos para “reduzir a seleção e multiplicação” do conteúdo da mídia estatal russa.

Muitas outras empresas estão deixando a Rússia. Consulte Mais informação Aqui.