julho 4, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Oxfam critica pandemia de ‘boom’ bilionário enquanto milhões enfrentam pobreza

Oxfam critica pandemia de 'boom' bilionário enquanto milhões enfrentam pobreza

Olga Shumetskaya | momento | Imagens Getty

Um novo bilionário surge a cada 30 horas durante a pandemia de Covid-19, e quase um milhão pode cair nele A pobreza extrema é praticamente a mesma de 2022. Estas são as estatísticas factuais divulgadas recentemente pela Oxfam.

A organização beneficente global disse em um resumo publicado nesta segunda-feira, primeiro dia da cúpula do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, que o número de bilionários no mundo chegou a 573 em março de 2022 em comparação com 2020, quando a pandemia começou. A Oxfam disse que isso equivale a um novo bilionário a cada 30 horas.

Além disso, estimou que 263 milhões de pessoas poderiam ser empurradas para níveis de pobreza extrema em 2022 devido à pandemia, ao aumento da desigualdade global e ao aumento dos preços dos alimentos exacerbados pela guerra na Ucrânia. A Oxfam disse que isso equivale a quase um milhão de pessoas a cada 33 horas.

A organização observou que os bilionários totalizaram US$ 12,7 trilhões em março. Em 2021, a riqueza bilionária representou aproximadamente 14% do PIB global.

Gabriella Bucher, diretora executiva da Oxfam International, disse que os bilionários estão chegando ao cume de Davos “para comemorar o surpreendente aumento de suas fortunas”.

“A pandemia e agora os fortes aumentos nos preços dos alimentos e da energia foram uma grande mina para eles”, disse ela.

“Enquanto isso, décadas de progresso na pobreza extrema estão agora se invertendo, e milhões de pessoas estão enfrentando aumentos impossíveis no custo de apenas sobreviver”, acrescentou Bucher.

Ganhos epidemiológicos

Apoiando a riqueza maciça em setores específicos de negócios, a Oxfam disse que as fortunas dos super-ricos em alimentos e energia aumentaram em US$ 453 bilhões nos últimos dois anos, o equivalente a US$ 1 bilhão a cada dois dias.

Por exemplo, a gigante de alimentos Cargill é considerada uma das quatro empresas que controlam mais de 70% do mercado agrícola global, segundo a Oxfam. A empresa, de propriedade da família Cargill, gerou uma receita líquida de quase US$ 5 bilhões no ano passado – o maior lucro de sua história. Ela acrescentou que agora existem 12 bilionários apenas na família Cargill, contra oito antes da pandemia.

Enquanto isso, a Oxfam disse que a pandemia criou 40 novos bilionários no setor farmacêutico. Os bilionários são aqueles que se beneficiaram do monopólio de suas empresas sobre vacinas, tratamentos, testes e equipamentos de proteção individual.

Para evitar uma maior desigualdade de riqueza e apoiar as pessoas à medida que os custos de alimentos e energia aumentam, a Oxfam recomendou que os governos introduzam impostos de solidariedade únicos sobre os ganhos inesperados da pandemia de bilionários.

Acabar com a “crise da vitória”?

READ  EUA recolhem provas de crimes de guerra