novembro 29, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Putin diz que Rússia emergirá mais forte e sanções atingirão o Ocidente

Putin diz que Rússia emergirá mais forte e sanções atingirão o Ocidente

(Reuters) – O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira que as sanções contra a Rússia vão sair pela culatra no Ocidente, inclusive na forma de aumento dos preços de alimentos e energia, e que Moscou resolverá seus problemas e parecerá mais forte.

Putin disse que não há alternativa ao que a Rússia chama de sua própria operação militar na Ucrânia e que a Rússia não é um país que pode aceitar comprometer sua soberania por algum tipo de ganho econômico de curto prazo.

“Essas sanções teriam sido impostas em qualquer caso”, disse Putin em uma reunião do governo russo. “Existem algumas questões, problemas e dificuldades, mas nós os superamos no passado e vamos superá-los agora.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“No final, tudo isso levará a um aumento em nossa independência, auto-suficiência e soberania”, disse ele em uma reunião do governo televisionada duas semanas depois que as forças russas invadiram a vizinha Ucrânia.

Seus comentários visam retratar as sanções ocidentais como autodestrutivas e assegurar aos russos que o país pode resistir ao que Moscou chama de “guerra econômica” contra seus bancos, empresas e oligarcas.

Putin disse que Moscou – um grande produtor de energia que fornece um terço do gás da Europa – continuará cumprindo suas obrigações contratuais, apesar de estar sob amplas críticas, incluindo a proibição de compras de petróleo dos EUA.

“Eles anunciaram que fecharam a importação de petróleo russo para o mercado americano. Os preços estão altos lá, a inflação é sem precedentes, atingiu níveis históricos. Eles estão tentando culpar os resultados de seus erros”, disse ele. “Não temos absolutamente nada a ver com isso.”

READ  Turistas britânicos sobrevivem a uma avalanche nas montanhas Tian Shan, no Quirguistão | Quirguistão

Em resposta ao Ocidente, o governo russo disse anteriormente que proibiu as exportações de equipamentos de comunicações, médicos, automotivos, agrícolas, elétricos e técnicos, entre outras coisas, até o final de 2022.

No total, mais de 200 itens foram incluídos na lista de suspensão de exportações, que abrangeu também vagões ferroviários, contêineres, turbinas e outras mercadorias.

O presidente russo Vladimir Putin participa de uma reunião com membros do governo via link de vídeo em Moscou, Rússia, 10 de março de 2022. Sputnik/Mikhail Klementev/Kremlin via Reuters

Nós vamos resolver esses problemas.

Putin falou com calma, reconhecendo que as sanções impostas desde a invasão de 24 de fevereiro estavam sendo sentidas.

“É claro que nesses momentos a demanda das pessoas por determinados grupos de bens está aumentando constantemente, mas não temos dúvidas de que resolveremos todos esses problemas trabalhando com calma”, disse ele.

“Gradualmente, as pessoas vão se orientar e vão entender que simplesmente não há eventos que não possamos fechar e resolver.”

Observando que a Rússia é um grande produtor de fertilizantes agrícolas, Putin disse que haverá inevitáveis ​​”consequências negativas” para os mercados globais de alimentos se o Ocidente causar problemas para a Rússia.

O ministro da Agricultura afirmou no encontro que a segurança alimentar do país está garantida.

Falando na mesma reunião, o ministro das Finanças, Anton Siluanov, disse que a Rússia tomou medidas para limitar a saída de capital e que o país serviria sua dívida externa em rublos, não em dólares.

“Nas últimas duas semanas, os países ocidentais lançaram uma guerra econômica e financeira contra a Rússia”, disse ele.

Siluanov disse que o Ocidente falhou em cumprir seus compromissos com a Rússia ao congelar suas reservas de ouro e divisas. Ele disse que ela estava tentando impedir o comércio exterior.

“Nessas circunstâncias, nossa prioridade é estabilizar o sistema financeiro”, disse Siluanov.

(Reportagem da Reuters) Escrito por Mark Trevelyan Edição por Guy Faulconbridge e Mark Heinrich

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.