outubro 2, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Putin levantou dúvidas sobre o acordo de grãos da Ucrânia e fornecimento de gás para a Europa

  • Putin acusou Kiev e o Ocidente de violar o acordo de grãos
  • Ele diz que quer discutir a mudança dos termos do contrato
  • Europa ameaça cortar exportações de energia se controlar preços

KYIV, 7 de setembro (Reuters) – O presidente Vladimir Putin disse nesta quarta-feira que quer discutir a retomada de um acordo mediado pela Organização das Nações Unidas que permite à Ucrânia exportar seus grãos através do Mar Negro, e ameaçou cortar todo o fornecimento de energia para a Europa se Bruxelas aumentar. preços. gás russo.

Em um discurso de guerra em um fórum econômico na região do Extremo Oriente da Rússia, Putin fez pouca menção à sua invasão da Ucrânia, mas respondeu a uma pergunta dizendo que a Rússia não perderia a guerra e fortaleceria sua soberania e influência.

No terreno, as autoridades ucranianas ficaram de boca fechada sobre como a contra-ofensiva que lançaram no final do mês passado estava progredindo, mas uma autoridade russa no leste da Ucrânia disse que as forças ucranianas atacaram uma cidade lá.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

O acordo de grãos, intermediado pelas Nações Unidas e a Turquia, criou um corredor de exportação protegido através do Mar Negro para produtos alimentícios ucranianos depois que Kyiv perdeu o acesso à sua principal rota de exportação quando a Rússia atacou a Ucrânia por terra, ar e mar.

O acordo, projetado para ajudar a aliviar os preços globais dos alimentos ao aumentar a oferta de grãos e oleaginosas, é o único avanço diplomático entre Moscou e Kiev em mais de seis meses de guerra.

Mas Putin disse que o acordo entregaria grãos, fertilizantes e outros alimentos à UE e à Turquia, e não aos países mais pobres.

READ  A maioria conservadora na Suprema Corte é cética em relação ao programa de vacinação de Biden

“Vale a pena considerar como limitar as exportações de grãos e outros produtos alimentícios dessa maneira”, disse ele, acrescentando que a Rússia continuará cumprindo seus termos na esperança de cumprir suas metas originais.

“Certamente consultarei o presidente da Turquia, Sr. (Tayyip) Erdogan sobre este assunto, porque ele e eu fomos os primeiros a criar um mecanismo para exportar grãos ucranianos, repito, para ajudar os países pobres.”

Seus comentários levantaram a possibilidade de que o acordo possa ser desfeito se não puder ser renegociado ou renovado com sucesso por Moscou quando expirar no final de novembro.

A Ucrânia, cujos portos foram bloqueados após a invasão russa em fevereiro, disse que os termos do acordo assinado em 22 de julho por um período de quatro meses estão sendo rigorosamente cumpridos e não há motivo para revisá-lo.

“Acredito que declarações tão inesperadas e infundadas indicam uma tentativa de encontrar novos pontos de discussão agressivos para influenciar a opinião pública global e, acima de tudo, pressionar as Nações Unidas”, disse Michało Podoliak, assessor do presidente. consulte Mais informação

O acordo deu a Kiev uma tábua de salvação, fornecendo receita muito necessária para uma economia devastada pela guerra. Ele não diz para quais países os grãos ucranianos devem ir, e as Nações Unidas insistiram que é uma operação comercial – não humanitária – impulsionada pelo mercado.

De acordo com dados do Comitê de Coordenação, com sede em Istambul, que monitora a implementação do acordo, 30% do total de cargas, incluindo aquelas destinadas ou roteadas para a Turquia, foram para países de baixa e média renda.

Grão e gás

A Ucrânia espera exportar 60 milhões de toneladas de grãos em oito a nove meses, disse o assessor econômico presidencial Oleh Ustenko em julho, alertando que essas exportações podem levar até 24 meses se os portos não funcionarem adequadamente.

READ  Governador do Texas, Greg Abbott, rescinde ordem de imigração

Putin reclamou que outra parte do acordo, que aliviou as restrições aos exportadores e exportadores de alimentos russos, não foi implementada.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, questionou o acordo um dia antes, acusando o Ocidente de não honrar promessas mútuas nas Nações Unidas para ajudar a facilitar as exportações de Moscou. consulte Mais informação

As exportações de grãos da Rússia em agosto devem ser 28% menores do que no mesmo período do ano passado, de acordo com uma previsão da consultoria russa Sovecon.

Outro grande efeito global da invasão da Ucrânia pela Rússia foi um aumento nos preços da energia, já que o Ocidente respondeu com sanções e Moscou proibiu as exportações de gás para a Europa, culpando as restrições ocidentais e problemas técnicos.

Enquanto a União Europeia se prepara para propor um teto de preço do gás russo para conter uma crise de energia que ameaça dificuldades generalizadas neste inverno, Putin ameaçou cortar todos os suprimentos se tal medida for tomada.

“Haverá alguma decisão política que contradiga os acordos? Sim, não os cumpriremos. Não ofereceremos nada se for contra nossos interesses”, disse Putin.

“Não forneceremos gás, petróleo, carvão, óleo para aquecimento – não forneceremos nada”, disse Putin.

A Europa normalmente importa 40% de seu gás e 30% de seu petróleo da Rússia.

O campo de batalha ucraniano é uma vitória?

Questionado por um moderador em um fórum econômico em Vladivostok sobre a “ação militar especial” da Rússia na Ucrânia, Putin disse:

“Não perdemos nada e não vamos perder nada… Quanto ao que conquistamos, posso dizer que fortalecer nossa soberania é o principal ganho.”

READ  Musk diz que acordo com o Twitter não avançará sem acesso a bots de spam

O governador da região de Luhansk, no leste da Ucrânia, que a Rússia afirmou ter confiscado em nome de procuradores separatistas, disse à televisão ucraniana na terça-feira que a Ucrânia está revidando.

Uma “contra-ofensiva está em andamento e… nossas forças estão tendo algum sucesso. Vamos deixar por isso mesmo”, disse Serhii Gaidai na terça-feira, sem fornecer locais.

Um funcionário da autoproclamada República Popular de Donetsk, pró-Moscou, disse na terça-feira que os combates estão em andamento entre Kharkiv e Izyum, na cidade de Balaklia, no leste do país, onde vivem 27.000 pessoas.

“Hoje, as forças armadas ucranianas, após uma prolongada preparação de artilharia… lançaram um ataque a Balaklia…”, disse Daniel Besonov em um telegrama, acrescentando que a perda da cidade significaria que as forças russas em Isium sofreriam em seu setor noroeste.

A Rússia diz que repeliu um ataque no sul e não relatou perdas territoriais.

A Rússia capturou Kotema na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, das forças ucranianas, disse o Ministério da Defesa da Rússia. A vila, que abriga cerca de 600 pessoas, é reivindicada pela República Popular de Donetsk, apoiada pela Rússia, como parte de seu território.

A Reuters não pôde verificar independentemente as contas do campo de batalha.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatado pela Reuters; Por Andrew Osborne; Edição por Philippa Fletcher

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.