maio 19, 2022

Libra

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Tribunal Internacional de Justiça ordena que Rússia suspenda ação militar na Ucrânia

Tribunal Internacional de Justiça ordena que Rússia suspenda ação militar na Ucrânia

Na quarta-feira, a Corte Internacional de Justiça instruiu a Rússia a suspender seu trabalho Operações militares na Ucrâniaemitindo uma ordem preliminar, mas potencialmente inexequível no processo de Kiev, alega que o Kremlin justificar sua invasão Sob o falso pretexto de impedir um suposto genocídio nas regiões de língua russa de Luhansk e Donetsk, na Ucrânia.

A Corte Internacional de Justiça, um braço das Nações Unidas com sede em Haia, não tem autoridade independente para fazer cumprir suas decisões, e a Rússia já argumentou que o tribunal de 15 membros não tem jurisdição sobre a disputa.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky saudou a decisão do Tribunal Internacional. A Rússia deve cumprir imediatamente. “Ignorar isso isolará ainda mais a Rússia”, escreveu ele no Twitter.

Mas a decisão por 13 a 2, com objeções apenas de juízes russos e chineses, acrescenta uma dimensão legal à condenação diplomática e às sanções econômicas que a invasão do Kremlin provocou em todo o mundo.

Corte Internacional de Justiça em Haia, Holanda.


Foto:

Vyacheslav Prokofiev / Zuma Press

Separadamente, o Tribunal Penal Internacional, também com sede em Haia, abriu uma investigação sobre possíveis crimes de guerra cometidos na Ucrânia. Enquanto o Tribunal Internacional de Justiça ouve disputas entre nações, o Tribunal Penal Internacional pode julgar os indivíduos que considera mais culpados de atrocidades.

O procurador do Tribunal Penal Internacional, Karim Khan, viajou na quarta-feira para o oeste da Ucrânia e Polônia, teve um encontro virtual com Zelensky e visitou um centro de refugiados. Ele disse que também está tentando se encontrar com autoridades russas.

Khan disse estar trabalhando para “estabelecer a verdade e garantir que os indivíduos responsáveis ​​por crimes internacionais sejam responsabilizados em um tribunal”. Aqueles que participam das hostilidades “devem saber que, ao usar uniforme militar ou portar armas, não estão isentos de responsabilidade, mas, na verdade, incorrem em obrigações legais adicionais”.

Ações contra a Rússia também estão pendentes no Tribunal Europeu de Direitos Humanos, em Estrasburgo, França, que emitiu medidas temporárias orientando Moscou a interromper “ataques militares contra civis e bens civis”.

Presidente da Corte Internacional de Justiça Joan Donoghue, Leia a decisão desta quarta-feira No Palácio da Paz em Haia, ele disse que a Ucrânia apresentou um caso razoável e, portanto, Moscou deve interromper as operações militares para evitar mais danos enquanto prossegue com os procedimentos legais.

“O tribunal está plenamente ciente da escala da tragédia humana que se desenrola na Ucrânia e está profundamente preocupado com a contínua perda de vidas e sofrimento humano”, disse o juiz Donoghue, ex-procurador do Departamento de Estado dos EUA. Ela disse que o uso da força pela Rússia “levantou questões muito sérias no direito internacional”.

A decisão do tribunal afirma: “A Ucrânia considera que a Federação Russa “virou a Convenção do Genocídio de cabeça para baixo”, tendo feito uma falsa alegação de genocídio como base para ações de sua parte que constituem graves violações dos direitos humanos de milhões de pessoas ao redor o mundo. Ucrânia.

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia são partes da Convenção do Genocídio e deram ao Tribunal Internacional o poder de resolver disputas sob o tratado. Mas apenas o Conselho de Segurança da ONU pode tomar medidas para implementar as decisões do tribunal, uma perspectiva improvável com a Rússia tendo poder de veto.

A Rússia não compareceu à audiência da semana passada no caso da Ucrânia, em vez disso, apresentou uma carta negando a jurisdição do tribunal para ouvir a disputa.

Em uma carta à Corte Mundial, Moscou disse que não invocou formalmente a Convenção do Genocídio ao relatar às Nações Unidas sobre suas operações militares e que comentários de autoridades russas alegando suposto genocídio não poderiam fornecer jurisdição para a Corte Internacional de Justiça.

“Embora a carta do presidente Putin ‘para os cidadãos da Rússia’ anexada à notificação possa, em certos contextos, se referir a genocídio, essa referência não é o mesmo que invocar a Convenção como justificativa legal para sua ação”, disse a opinião, argumentou a Rússia.

O tribunal não concordou, concluindo que as autoridades russas desde 2014 acusam Kiev de genocídio e que uma agência do governo em Moscou apresentou acusações contra autoridades ucranianas. A fatwa afirma que é claro que um desacordo sobre o tratado é suficiente para justificar a intervenção do tribunal.

O juiz Donoghue disse que as ações iniciais do tribunal têm um “efeito vinculante”, “e, portanto, criam obrigações legais internacionais” nos países sujeitos a ela.

O tribunal disse que não tinha provas credíveis para apoiar as alegações de genocídio da Rússia.

No entanto, a Ucrânia não conseguiu tudo o que pediu. O tribunal rejeitou o pedido de Kiev para ordenar que Moscou apresentasse um relatório semanal sobre suas ações para cumprir a decisão da CIJ.

Compartilhe seus pensamentos

Existe algum valor para uma decisão de um tribunal mundial que não pode ser aplicada porque a Rússia tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU? Participe da conversa abaixo.

O juiz Kirill Gevorgyan, ex-diplomata russo, e Xu Hankin, ex-diplomata chinês e professor de direito, se opuseram. Seus dados escritos não estavam imediatamente disponíveis.

Juízes da Austrália, Brasil, França, Alemanha, Índia, Jamaica, Japão, Líbano, Marrocos, Eslováquia, Somália e Uganda juntaram-se ao Juiz Donoghue por maioria, assim como um juiz temporário nomeado pela Ucrânia.

A decisão de quarta-feira concluiu que o tribunal provavelmente teria jurisdição, mas deixou a decisão final sobre o caso para outros procedimentos.

Os juízes instruíram por unanimidade a Rússia e a Ucrânia a se absterem de ações que “podem agravar a disputa, estendê-la perante o tribunal ou torná-la mais difícil de resolver”.

Em um discurso hipotético ao Congresso na quarta-feira, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky se referiu a Pearl Harbor e ao 11 de setembro em um pedido repetido por uma zona de exclusão aérea e pediu aos Estados Unidos que intensifiquem as sanções e outras sanções econômicas contra a Rússia. Foto: Drew Angerer/Paul Press

escrever para Jess Bravin em [email protected]

Copyright © 2022 Dow Jones & Company, Inc. todos os direitos são salvos. 87990cbe856818d5eddac44c7b1cdeb8

READ  Atualização ao vivo das eleições francesas: eleitores escolhem entre Macron e Le Pen